Este é o blog do Adote um Professor, o programa-raiz da União das Árvores (123s), ONG fundada no Rio de Janeiro em 2006. Aqui publicamos relatórios, projetos e sementes para uma Escola Ecológica. Conheça a nossa missão.


2008-04-30

corpoECOlogia: Manuela Berardo, ABR/08

PATRONATO OPERÁRIO DA GÁVEA
Rio de Janeiro, Brasil – Abril de 2008
Teacher: Manuela Berardo

Relatório
ABRIL 2008

Este mês daremos continuidade às pesquisas relativas à estrutura corporal através da vivência e da sensibilização. Trabalharemos com algumas formas de expressão e com materiais que facilitem a percepção dos ossos, articulações e demais partes do corpo que forem citadas. O alongamento do início da aula será mantido.



Ao longo do mês as turmas puderam conhecer e perceber algumas partes do corpo como as escápulas, as vértebras, as costelas, os ísquios, a bacia, a lombar, a medula e as articulações. Para a percepção e visualização, pudemos contar com os ossos de plástico que reproduzem fielmente a estrutura de cada parte do corpo. Fizemos exercícios em dupla, onde cada aluno percebeu o corpo do outro através do toque e da “procura” de determinadas partes em jogos corporais.

Muitos movimentos novos foram aprendidos, sempre com o foco na percepção estrutural através de propostas lúdicas. Ao falarmos de cada parte, experimentamos diversas possibilidades de movimento. Na aula da coluna, por exemplo, os alunos após verem e tocarem no material, fizeram exercícios de torção, flexão e extensão da mesma. As turmas também participaram de improvisos de dança, jogos de movimento como a marionete com barbante e o jogo do nó, argila (molde da coluna), brincadeiras e exercícios de percussão óssea.


O mês foi rico em experimentação e o resultado foi muito satisfatório. As turmas, apesar de muito dispersas, estão interessadas nas aulas e nas propostas oferecidas. Noto que é muito importante o uso do material. As crianças precisam do toque e da concretude dos objetos para melhor perceberem os assuntos tratados, além de ficarem bastante entusiasmadas sempre que disponibilizo qualquer tipo de material.

Em relação aos desafios, tenho tido dificuldade em ser ouvida em quase todas as aulas, e acabo me desgastando muito para ser entendida. Quando opto por esperar que a turma se organize para me ouvir, quase sempre não funciona. Outro desafio é a violência entre as crianças. Não há uma aula em que não haja episódios de agressividade. Percebo que o comando verbal adulto é insuficiente para o aprendizado da importância da não-violência. Como ensiná-las sobre o amor ao próximo?

Nenhum comentário:

Postar um comentário